top of page

Dr Segurança orienta jogadores de “Pokémon go” a não cometerem “Pokéinfrações” e não serem vítimas

Doutor Segurança orienta jogadores de “Pokémon go” a não cometerem “Pokéinfrações” e não serem vítimas dos “Pokéladrões”

Dia 03.08.2016, com a caçada aos Pokémons pelas ruas no Brasil, foi iniciada uma nova era dos jogos eletrônicos, cujo diferencial é que os participantes não precisam mais ficar reclusos em suas casas e com a porta do quarto trancada. O jogo virtual torna-se real no momento em que o jogador sai do lar e vai à caça dos monstrinhos japoneses espalhados por todas as cidades. Até nos cemitérios eles foram encontrados.

De uma hora para outra, grupos de pessoas passaram a utilizar seus celulares como se fossem lupas, procurando imagens daqueles que precisam ser capturados. O problema é que o participante se coloca em risco quanto a acidentes pessoais, acidentes de trânsito e atropelamentos, além do que, fica mais vulnerável a ser vítima de furto ou roubo.

Nos últimos anos, o smartphone se tornou objeto de desejo dos bandidos, o que levou a recordes nas estatísticas policiais os crimes de furto e roubo desses eletrônicos. Algumas pessoas tiveram a vida ceifada friamente durante assaltos á mão armada.

POR ISSO, TODO CUIDADO É POUCO!

Antigamente, tínhamos a brincadeira de perseguir balões no mês de junho. Grupos de crianças e adolescentes saiam numa corrida desenfreada olhando para o céu. Casas e empresas eram invadidas sem cerimônia, mas a intenção não era a subtração de bens e sim tentar capturar o balão sem que pegasse fogo. A disputa pelo efêmero troféu de papel colorido levava a brigas e acidentes; muitos tão graves que geraram até óbitos.

A perseguição a balões praticamente acabou no Brasil, no seu lugar temos agora o “Pokèmon GO Mania”. Em Minas Gerais, a Polícia Militar achou por bem reforçar o policiamento nos locais mais frequentados pelos fãs do game. Atrás dos chamados "pokestops, que são lojas virtuais em que se pode adquirir itens exclusivos para o jogo, em São Paulo vários cemitérios foram invadidos pelos jogadores. De um lado era possível ver pessoas chorando pela perda do ente querido e do outro grupo de jovens se divertindo com seus celulares nas mãos.

Pesquisando na internet, descobri que recentemente em O'Fallon, no Missouri (EUA), ocorreu assalto com arma de fogo onde os marginais conferiram posições de jogadores em locais ermos e isolados. Não podemos esquecer que vírus podem ser criados e interferir na dinâmica do game para conduzir jogadores a locais onde ao invés de encontrar pokèmons, estarão bandidos.

O sucesso estrondoso ao redor do mundo dessa nova maneira de usar game eletrônico é apenas o início do que vem por aí. É óbvio que outras empresas já estão preparando novos jogos, colocando cada vez mais os participantes em movimento nas ruas. O lado positivo é a dinâmica da disputa, a atividade física realizada, a interação com outras pessoas, mas jamais devemos esquecer que os perigos existem.

Proibir filhos de brincar com essa nova mania é uma boa estratégia?

Claro que não, a possibilidade de êxito seria mínima.

É preciso conscientizar dos riscos e ofertar orientações de segurança, que passo a expor:

1) Focar atenção somente na tela do celular quando estamos em movimento é ter a certeza que tropicões, quedas e até cabeçadas em postes irão ocorrer. Tenho certeza que os jogadores buscam divertimento e emoção e não desejam parar num pronto socorro para engessar uma perna ou enfaixar a cabeça;

2) Ao que tudo indica, a caçada aos monstrinhos japoneses é mais divertida em grupos; me parece que essa será a tônica do jogo. Oriento jovens que vão para balada no mesmo carro, que o condutor não ingira bebida alcoólica, isso a bem da segurança de todos. Havendo rodízio semanal entre os amigos na direção do carro, todos poderão se divertir e minimizar risco de acidentes de trânsito. A mesma proposta faço aos grupos de participantes do novo game. Não vejo necessidade de todos ficarem com os celulares a postos. Entendo que deve ser escolhido um para acionar o celular na procura aos pokèmons, e após a localização, os demais poderiam fazer as capturas. Com isso, diminuíremos a exposição ao perigo. O interessante dessa estratégia, é que alguns dos participantes devem ter como incumbência zelar pela segurança dos demais, prestando atenção nos perigos ao redor;

3) Para diminuir risco de acidente e subtração de celular, é preciso vivenciar a palavra “bom senso”. Não se pode colocar a diversão na frente da segurança. Em uma de minhas palestras digo a seguinte frase:

“Não há trabalho tão importante e divertimento tão urgente que não possa ser feito com segurança”.

4) Estatísticas criminais mostram que pessoas sozinhas são mais propensas a serem assaltadas, tanto a pé como na condução de veículos. Por isso, jogar o game com vários amigos é muito mais seguro;

5) Assim como diariamente transeuntes atravessam ruas falando ao celular e com a cabeça na lua, o mesmo pode ocorrer no momento da busca aos monstrinhos virtuais. Na calçada é preciso ficar atento a buracos, imperfeiçoes do piso e postes. A lei de trânsito orienta que os pedestres devem atravessar as ruas sempre na faixa apropriada, mas é claro, sempre observando a passagem de veículos;

A pressa e a desatenção são as maiores inimigas da segurança.

Portanto, jogue o novo game com moderação, atenção e responsabilidade. Se você se machucar durante a brincadeira, terá que ficar de repouso em casa ou hospital e aí será impossível capturar os monstrinhos japoneses.

6) Jamais entre em propriedade privada para capturar Pokémons, pois poderá acabar no distrito policial ou até arrumar briga com o responsável pelo local, que, na pior das hipóteses, pode te confundir com um ladrão;

7) Acredite se quiser, mas já foi criado os chamados “Pokèmotos”, serviço pago em que um motoqueiro leva os jogadores de Pokémon Go para caçar monstrinhos pela cidade. Se utilizar esse tipo de serviço, que é ilegal, o jogador jamais saberá com certeza se o condutor da motocicleta é habilitado, se está com os documentos da moto em dia, se as condições da motocicleta são apropriadas e se o condutor tem experiência em levar garupa;

8) Não transite em locais ermos ou mal iluminados, mesmo em grupo. Evite correr atrás dos monstrinhos no período noturno, pois o risco de abordagem criminosa aumenta;

9) Durante a brincadeira não interaja com estranhos;

10) Quem estiver dirigindo veículo ou moto, jamais poderá brincar de Pokémon GO, pois conduzir veículo usando smartphone gera multa de trânsito de natureza grave, com perda de 5 pontos na Carteira de Habilitação (CNH);

11) Unidades de saúde não são locais para capturar Pokémons. Os pacientes, que precisam de sossego, agradecem! Portanto, respeite ambientes que não são afeitos para a prática do jogo, como igrejas, consultórios médicos, órgãos públicos e etc.;

12) Cuidado com os “Pokèladrões”! Usuários do novo game têm o recurso de soltar “iscas” para atrair mais monstrinhos japoneses e com isso acabam atraindo mais competidores. Além de encontrar o Pokémon, bandidos podem estar à espreita aguardando o melhor momento para realizar furto ou roubo;

13) Se estiver viajando a cautela deve ser redobrada, pois como não conhece o território, o risco de se perder ou caminhar para lugar de maior incidência de crimes é maior;

14) Instale antivírus no smartphone para evitar que outros “monstrinhos” contaminem seu aparelho e tenham acesso às informações pessoais;

15) Qualquer pessoa vítima da criminalidade pode tentar recuperar o celular através do rastreamento via satélite. Se tiver aparelho android com internet, é só acessar http://www.google.com/android/devicemanager. Esse site mostra a localização mais recente do seu smartphone; isso se o marginal não tiver desligado o aparelho. O iPhone tem recurso parecido, que pode ser acessado através do linkhttps://www.icloud.com/#find . As vítimas podem entrar em contato com a Polícia Militar, através do fone 190 e passar a localização do celular; a possibilidade de prisão e recuperação do bem é grande. O dono do aparelho subtraído poderá também “apagar” todas as informações pessoais, protegendo, assim, sua privacidade, além de impedir que a pessoa que roubou o utilize livremente.

Desejo a todos aqueles que são amantes do Pokémon GO bastante divertimento, mas tenham em mente que segurança deve estar sempre em primeiro lugar!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Novo roteiro do falso sequestro por telefone

Tenho alertado, insistentemente, o amigo leitor, sobre os cuidados necessários ao se atender telefone fixo ou celular, pois a quantidade de golpes a que se está sujeito é impressionante, e a cada dia

Novo Crime: "Big Brother" via celular

O aparelho eletrônico mais vendido no Brasil é o telefone celular. Seu uso é extremamente democrático; foi adotado por pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais. Crianças com 10 anos ou men

Nova estratégia do falso sequestro

A presente matéria é um alerta para os leitores que possuem telefones celulares. O golpe do "falso sequestro", que já fez milhares de vítimas em todo Brasil, tem sido remodelado, constantemente, pelos

Comments


bottom of page