top of page

Da brincadeira ao vício

Em razão de minhas entrevistas na televisão e rádio, recebo via email, relatos de crimes de várias partes do nosso imenso Brasil. Gostaria de dividir com o amigo leitor o que aconteceu com uma família no Rio de Janeiro. Dona Maria é uma aposentada de 78 anos, que cuida de seu marido, Sr. Antônio, que recupera-se há 2 anos de um tombo que levou ao escorregar em uma escada de apenas 3 degraus, quebrando a bacia do fêmur. O único divertimento da idosa é dirigir-se ao bingo para “brincar”, o que faz todas as tardes há 4 anos, onde permanece por quase 3 horas, após o que, volta para casa e faz o jantar do esposo. Rotina que só se altera aos domingos, pois sua grande família se reúne nesse dia. Felizmente, aos poucos, o enfermo começa a dar os primeiros passos, e após 3 semanas resolve andar a pé pelo bairro. Como estava próximo do banco onde tem conta, resolveu verificar o extrato bancário para consultar o saldo de sua poupança. Para sua surpresa, o dinheiro havia desaparecido, restando apenas quatrocentos reais. O idoso precisou ser acudido pelo gerente e cobrou enérgicas providências em relação ao sumiço dos cinqüenta mil reais que havia em sua poupança. O gerente olhou para o correntista e disse: "Quanto ao dinheiro, é melhor o senhor cobrar explicações de sua esposa". O atordoado velhinho retrucou: "Não estou entendendo. O que o senhor está querendo dizer?". E o funcionário respondeu: "É só o senhor verificar os extratos bancários; sua mulher retira todas as segundas feiras a quantia de quinhentos reais em dinheiro na boca do caixa". Ao vê-lo chegar em casa com o extrato bancário na mão, Dona Maria abraça o marido, chorando copiosamente, pede perdão e diz que precisa de tratamento psicológico para deixar o vício do jogo. Alerto o amigo leitor sobre os riscos da dependência que qualquer jogo, principalmente os que envolvem dinheiro, podem gerar nas pessoas. Fique atento, ao perceber esse problema em qualquer ente da família, encaminhe o parente para uma avaliação com profissional habilitado na área da psicologia.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crime e as seqüelas emocionais

O diretor do Centro de Tratamento e Pesquisas de Vítimas de Crimes, da Universidade da Carolina do Sul/EUA, Dean Kil Patrick, afirma que: “Vítimas de crimes estão 10 vezes mais sujeitas do que a média

Traumas pós-violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? A violência faz parte do mundo animal. Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. Todo predador tem seu dia de p

Comments


bottom of page