top of page

Por que as pessoas insistem em correr riscos desnecessários?

Tenho absoluta certeza que o leitor conhece a estorinha do “chapeuzinho vermelho”! Esse conto de fadas tem origem europeia, no século XIV. Foi baseada em risco real de ataques de lobos, que na época eram de fato perigosos predadores. Os contos serviam como advertência de cunho prevencionista.

Um dia, a mãe da menina preparou algumas broas para a avó, que gostava muito desse quitute. Quando acabou de assá-las, estava tão cansada que não tinha mais ânimo para levá-las para a velhinha. Então, chamou a filha:

“Chapeuzinho Vermelho, vá levar estas broinhas para a vovó, ela gostará muito. Disseram-me que já há alguns dias ela não passa bem e, com certeza, não tem vontade de cozinhar.

“Vou agora mesmo, mamãe”, disse a menina.

Mas a mãe a alertou:

“Tome cuidado, não pare para conversar com ninguém, vá direitinho, sem desviar do caminho seguro. Não vá pela trilha da floresta!”

O problema é que Chapeuzinho Vermelho não colocou em prática os conselhos da genitora, e, com pressa, resolveu pegar o caminho mais curto.

Segurança é algo vital em nossas vidas, pois sem ela correríamos riscos enormes em relação a acidentes pessoais, no trânsito, no trabalho e também em relação a violência urbana.

O problema é que nem todos dão a devida importância, assim como a menina, conhecida na fábula por chapeuzinho vermelho.

Você já ouviu falar a respeito da Teoria da Hierarquia de Necessidades de Maslow?

O psicólogo americano Abraham Maslow, na década de 40, criou a chamada “Teoria da Hierarquia de necessidades”. Ele estabeleceu uma pirâmide de necessidades humanas. Para Maslow, as necessidades fisiológicas precisam ser saciadas para que se precise saciar as necessidades de segurança. Estas, se saciadas, abrem campo para as necessidades sociais, que se saciadas, abrem espaço para as necessidades de autoestima. Se uma dessas necessidades não está saciada, há a incongruência. Quando todas estiverem de acordo, abre-se espaço para a autorealização, que é um aspecto de felicidade do indivíduo.

A Pirâmide de Maslow é dividida em cinco níveis:

Nível 1: Necessidades fisiológicas básicas, tais como: fome, sede, sono, abrigo;

Nível 2: Necessidades de segurança: não violação do lar, ter um emprego estável, ter plano de saúde e um seguro de vida, por exemplo;

Nível 3: Necessidades de amor, sociais e afeto;

Nível 4: Necessidades de gostar de si mesmo (autoestima)

Nível 5: Necessidades de autorealização

O leitor deve ter observado, que de acordo com essa teoria, a segurança vem em segundo lugar, mas na frente das relações afetivas e amorosas e da atividade de trabalho.

Portanto, não adianta esconder o sol com a peneira ou enterrar a cabeça na terra, como o avestruz, e não dar a devida importância para os problemas relacionados com a violência urbana, tão crescentes em nossa país.

É necessário focalizar a mente, diariamente, a todo instante, no tocante a tomar atitudes proativas visando minimizar riscos em relação a acidentes, como também quanto a crimes.

Faça da sua segurança um hábito; sua vida pode depender dessa eterna vigilância!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crime e as seqüelas emocionais

O diretor do Centro de Tratamento e Pesquisas de Vítimas de Crimes, da Universidade da Carolina do Sul/EUA, Dean Kil Patrick, afirma que: “Vítimas de crimes estão 10 vezes mais sujeitas do que a média

Traumas pós-violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? A violência faz parte do mundo animal. Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. Todo predador tem seu dia de p

bottom of page