top of page

Por que o brasileiro exagera tanto nas festas carnavalescas?

O carnaval ainda não começou, mas na cidade de São Paulo os blocos de rua estão fervendo há várias semanas.

A Prefeitura registrou 391 blocos cadastrados, um aumento significativo de 28% em relação a 2016. Segundo estimativa dos organizadores dos principais blocos, a capital paulista deve atrair aproximadamente 2,5 milhões de pessoas. Número superior a Salvador (2 milhões) e Recife (1,5 milhões).

Mas nem tudo é festa, alegria, fantasia e purpurina!

Um dos problemas gerados, é o trânsito e o barulho em bairros tradicionalmente familiares, causando desconforto aos muitos moradores idosos, crianças e pessoas acamadas.

Plantões policiais e prontos socorros de hospitais permanecem lotados durante esses eventos. É alta a incidência de subtrações de celulares e carteiras, bem como brigas e acidentes de trânsito, que têm origem nas bebedeiras desmedidas e overdoses de drogas.

No último final de semana, resolvi caminhar a pé pelo meu bairro, na Zona Oeste/SP, e visitei três blocos de rua num raio de 800 metros. Tive a nítida impressão que para alguns dos foliões o mundo iria acabar em breve, tendo em vista o exagero de procedimentos, principalmente em relação a ingestão de bebidas alcoólicas.

Durante o percurso, é possível ver jovens e adultos fantasiados segurando garrafas de bebidas alcoólicas de baixa qualidade. Notei que a estratégia é se embriagar no caminho para pular o carnaval turbinado. Muita gente estava ingerindo vinho tinto de garrafão, na temperatura ambiente, sem qualquer cerimônia. A garrafa passava de boca em boca entre os amigos. O sol de quase 40 graus esquentava os ânimos e facilitava o surgimento das primeiras pessoas caídas ao chão.

Verdadeiro enxame de ambulantes circundava a área de maior concentração de foliões. A mercadoria oferecida era somente bebida alcoólica, pois pra que comer no carnaval?

O lema era “cabeça cheia e estômago vazio”.

Portanto, a festa carnavalesca torna-se sinônimo de exagero, onde se mistura, de forma explosiva e inconsequente, álcool, energéticos, drogas, calor excessivo, esgotamento físico e privação do sono.

Mas qual o motivo de tanta felicidade e comemoração?

O Brasil está em recessão, vivenciando gravíssima crise financeira; e o desemprego nas alturas. Nos últimos dois anos estamos sendo bombardeados diariamente com manchetes tenebrosas nos veículos de comunicação, principalmente em relação à política e violência urbana.

Pelo menos para mim, essa alegria parece um tanto contraditória. Mas a contradição faz parte da cultura brasileira; portanto, viva o carnaval!!!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crime e as seqüelas emocionais

O diretor do Centro de Tratamento e Pesquisas de Vítimas de Crimes, da Universidade da Carolina do Sul/EUA, Dean Kil Patrick, afirma que: “Vítimas de crimes estão 10 vezes mais sujeitas do que a média

Traumas pós-violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? A violência faz parte do mundo animal. Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. Todo predador tem seu dia de p

bottom of page