top of page

Segurança não é sinônimo de comodidade

Atualmente, é comum se ouvir no dia a dia comentários sobre o medo da violência urbana. Por outro lado, a maior parte das pessoas, apesar de almejar mais segurança, não se dispõe a perder parcela de sua comodidade em prol de diminuir riscos.

O exemplo mais clássico está nas agências bancárias. Já presenciei muitos vigilantes desses estabelecimentos serem ofendidos moralmente por causa da porta giratória, que tem acoplada detector de metais. Se o equipamento apitar, pode ser início da confusão. Alguns clientes ficam tão incomodados com o procedimento de segurança, que tiram a roupa, como forma de demonstrar toda sua insatisfação.

No início de maio/2016, na cidade de Itabuna/Ba, um vigilante de banco suspeitou de três supostos clientes que desejavam entrar na agência. A porta giratória sinalizou presença de metal e travou o equipamento automaticamente. Astuto, ele percebeu que o suspeito provavelmente estava armado, pois levara a mão à cintura. Resolveu deixá-lo retido na porta giratória e acionou a polícia militar, que rapidamente prendeu o assaltante.

Em prédios residenciais, observo o mesmo problema. Se o síndico instala mais um portão na entrada de pedestres e de veículos para formar a chamada clausura, imediatamente vem reclamação. Realizei pesquisa em diversos condomínios e conclui que aproximadamente 10% dos moradores não querem perder nenhum tipo de comodidade, apesar de desejarem segurança; isso não é possível.

Para se aumentar o nível de segurança é preciso restringir um pouco da comodidade. É claro que não devemos atrapalhar a vida das pessoas, mas é preciso compreender que segurança é responsabilidade de todos, e por isso, cada um deve fazer a sua parte, cooperando sem reclamação.

Certa vez, presenciei viatura da polícia militar parar um veículo para averiguação. O motorista desceu bravo e disse: “Sou cidadão honesto, por que me pararam? Eu por acaso tenho cara de bandido?”

E o policial respondeu: “E bandido tem cara?

É preciso compreender que o policial, o vigilante bancário e também o porteiro de prédios, não possuem bola de cristal. Portanto, devemos seguir os procedimentos solicitados e colaborar com os profissionais de segurança pública e privada, evitando atravancar o trabalho deles ou tentar intimidá-los.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crime e as seqüelas emocionais

O diretor do Centro de Tratamento e Pesquisas de Vítimas de Crimes, da Universidade da Carolina do Sul/EUA, Dean Kil Patrick, afirma que: “Vítimas de crimes estão 10 vezes mais sujeitas do que a média

Traumas pós-violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? A violência faz parte do mundo animal. Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. Todo predador tem seu dia de p

bottom of page